Localizados a pouco mais de uma hora de Munique os três monastérios produtores de cerveja mais antigos da Alemanha, Weltenburger, Weihenstephaner e Weissenohe guardam tradição, paisagens incríveis e ótimas cervejas

Se você está organizando uma viagem para Alemanha e Munique é um dos destinos leia essa texto com muita atenção. A capital da Bavária reserva impressionantes e deliciosas surpresas aos apaixonados por cerveja.

Três dos mais antigos monastérios produtores de cerveja situam-se nessa região, a pouco mais de uma hora de trem de Munique. Neles é possível mergulhar profundamente na história da cerveja na Alemanha e, principalmente, entender a importância dos mosteiros na disseminação do consumo de cerveja naquele país.

Durante a Idade Média, a cerveja na Alemanha era produzida nas casas e também nos monastérios. Esses locais funcionavam como “hotéis” oferecendo cama, comida e bebida. Contavam com um alojamento, uma cervejaria e um restaurante para atender aos viajantes. Não é por acaso que as cervejarias mais antigas do mundo ainda em funcionamento estão localizadas dentro desses lugares “sagrados” e há a quase mil anos recebem viajantes do mundo oferecendo os mesmos serviços.

Dessa forma, incluindo dois ou três dias a mais em seu roteiro é possível conhecer esses três monastérios seculares, suas histórias, cervejas e paisagens de tirar o fôlego.

Weihenstephaner

Fundada em 1040, a cervejaria de Weihenstephaner é a mais antiga do mundo em atividade. Também é uma importante universidade estadual e o complexo todo que consiste no monastério, escola e cervejaria pertence desde 1803 ao estado da Bavária. Um dos mais tradicionais cursos de formação em mestre-cervejeiro funciona em Weihenstephaner desde 1852. O lugar respira história.

O complexo fica na cidade de Freising, distante uma hora de trem do centro de Munique. O trem para na estação central e de lá você pode pegar taxi ou ônibus até o local.

Os tours pela cervejaria acontecem de segunda a quarta-feira, às 10h sendo que na terça há um tour extra às 13h30. O tour guiado básico sai por 6 euros e dura de 60 a 70 minutos. O tour guiado com degustação leva 120 minutos e sai por 9 euros e você ganha também um copo exclusivo. Os dois tours fazem um incrível passeio pela história da cervejaria, terminando em como ela é produzida. A visita pode ser agendada pelo site http://www.weihenstephaner.com/brewery-tour .

Minha dica é fazer o tour das 10h e depois almoçar no Brau Stubel, que serve deliciosos pratos bávaros. Lá é possível degustar todos os rótulos da cervejaria, incluindo alguns sazonais. Minhas preferidas são a Doppelbock Korbinian e a Weizenbock Vitus. Duas deliciosas opções para acompanhar o joelho porco que comemos na visita. O biergarten tem uma vista linda da cidade e se você gosta de souvenires cervejeiros, prepare o bolso. A lojinha da cervejaria tem mais de 100 opções de lembrança de camiseta e taças, a mochilas e abridores.

 Cervejaria mais antiga do mundo em atividade recebe visitantes de segunda à quarta-feira

Cervejaria mais antiga do mundo em atividade recebe visitantes de segunda à quarta-feira

Weltenburger

Localizado as margens do Rio Danúbio (o segundo maior da Europa, nasce na Alemanha e desagua na Romênia) Weltenburger Kloster é, provavelmente, um dos lugares mais lindos que você irá conhecer. Faltam palavras para descrever tamanha beleza.

Fundado em 620, é o mosteiro mais antigo da Bavaria e abriga a terceira cervejaria mais antiga da Alemanha em atividade, produzindo cerveja desde 1060. Lá, visite a igreja barroca do século XVI, prove as delícias do restaurante, experimente os 12 rótulos da cervejaria no biergarten, dê uma passada no museu que conta a história do local e da vida monástica, passeie pelos bosques, atravesse o Rio Danúbio de barco (2 euros por pessoa), vá até o ponto mais alto para ver o mosteiro do alto. As visitas a cervejaria acontecem aos sábados e domingos, de março a outubro (meses mais quentes) às 11h, 12h30, 14h e 15h30 a 2,50 euros por pessoa.

Weltenburger fica a aproximadamente 1 hora de carro de Munique e a 1h30 de trem. Já aviso que não é nada fácil chegar lá, mas o esforço é recompensado. Ao chegar no centro de Kelheim você pode pegar um taxi, barco, alugar uma bicicleta ou ir a pé até Weltenburg. Ao optar pelas duas últimas sugestões, saiba que o percurso é de 12 km. Fomos de trem até Kelheim, pegamos um taxi até o mosteiro e voltamos de barco. Os tickets do barco são vendidos em uma barraca em frente à entrada principal.

Fundado em 620, Weltenburger produz cerveja desde 1060.  Visita a cervejaria acontece aos sábados e domingos a 2,50 euros por pessoa

Fundado em 620, Weltenburger produz cerveja desde 1060.  Visita a cervejaria acontece aos sábados e domingos a 2,50 euros por pessoa

Minha dica é ir a pé ou de taxi e retornar de barco. Na volta, o barco para em frente à rua que leva até a mais tradicional produtora de cervejas de trigo, a Schneider. Nas terças e quintas (nas quintas de abril a outubro) eles oferecem tour guiado à fábrica a 8,50 euros por pessoa. Para grupos de no mínimo 10 pessoas dá para agendar tours em qualquer outro dia da semana mediante contato via website.

Schneider utiliza tanques de fermentação aberta para produção de suas cervejas de trigo. Somente isso já vale a visita. Os rótulos da cervejaria estão disponíveis para degustação no restaurante e biergarten. A parada é estratégica, um profundo mergulho na história da produção de cerveja de trigo na Alemanha. Em 1872, quando a cerveja de trigo podia ser produzida apenas na cervejaria real, o rei Ludwig autorizou a Schneider a também produzi-las.

Tanque de fermentação aberta na Schneider, em Kelheim

Weissenohe

A segunda cervejaria mais antiga da Alemanha em atividade também fica na Bavária. Apesar de menos conhecida que as co-irmãs, Weissenohe está a 2h30 do centro de Munique (Na verdade ela fica pertinho de Nuremberg) em mais uma região com paisagens de tirar o fôlego.

Diferente das demais, Weissenohe pertence desde 1807 a família Winkler, que herdou o local no processo de secularização (transformação ou passagem de coisas, fatos, pessoas, crenças e instituições, que estavam sob o domínio religioso, para o regime leigo). Eles mantiveram a capela e a cervejaria e ainda construíram um restaurante no local. Eles oferecem três tipos de tour custando de 8 a 19 euros por pessoa. Tudo que foi construído pelos monges em sete séculos foi mantido pela família.
A tradição cervejeira dos monges de Weissenohe foi passada aos moradores vilarejo que ao longo dos anos construíram quatro cervejarias nas proximidades do mosteiro. As cervejarias se uniram e criaram o 5-Seidla-Steig (caminho das 5 pedras) uma trilha de 10 km com parada em todas as cinco cervejarias: Klosterbrauerei Weissenohe, Brauerei Friedmann, Lindenbräu Gräfenberg, Brauerei Hofmann e Thuisbrunner Elch-Bräu.

weissenohe_1

Em Weissnohe é possível fazer uma trilha de 10 km e visitando 5 cervejarias, é o 5-Seidla-Steig (caminho das 5 pedras).

Ficou interessado? O Rotas da Cerveja leva você para esses e outros destinos da Alemanha.